Então eu beijo o céu sim, Jimi Hendrix



Que bizarra é a vida. Jimi Hendrix jamais saberia que, 28 anos após sua morte, nasceria uma pessoa inflamada por suas músicas, seus solos de guitarra, sua existência. Eu só queria apreciar Jimi Hendrix tocando com seu black, seu sorriso e sua bandana, e ouvindo sua voz com poder corrosivo sob minhas veias. Apesar de estarem perpetuadas na vida com sua arte, algumas pessoas poderiam ser eternas, fisicamente eternas. Se Jimi soubesse que ao apenas sussurrar "Fly on, little wing!" pôde me impulsionar a mudar e a fazer tanta coisa que eu não sei se faria antes de ouvir essa frase. Se ele soubesse que cada trecho seu é uma bomba de oxigênio para os meus pulmões e ouvir suas músicas em cada alvorecer suspiroso me fez ter vontades emergentes. De criar uma banda, viajar o mundo com uma mochila, saltar de paraquedas, acampar na neve, botar o pé na estrada sem destino, adotar 30 animais, ter uma casa vermelha, e depois cair na realidade e pisar no chão, e depois ter vontade de tudo isso sim, e de muito mais, só porque ele disse "Excuse me while I kiss the sky"... Então eu beijo o céu sim.

Comente com o Facebook:

(se você não tem Facebook, desça a página e comente apenas com seu nome ou em anônimo!)

Nenhum comentário

Postar um comentário

Não resolvo parcerias e/ou assuntos posteriores pelos comentários, somente pelo menu "Contato" ou pelo e-mail gabibastoscontato@gmail.com